Mais resultados

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Bomba de Pintura
Pistola de Pintura
Tanque de Pressão
Bomba Duplo Diaframa
Acessórios p/ Pintura Industrial

Corrosão metálica: o que é, tipos e como evitá-la

A corrosão metálica é um desafio persistente na engenharia e na indústria, afetando inúmeras estruturas e equipamentos metálicos. 

Este fenômeno natural, resultante da interação entre metais, umidade e agentes químicos, gerando implicações em termos de durabilidade e integridade estrutural. 

Geralmente a corrosão metálica é um problema muito comum em setores industriais, podendo comprometer significativamente os equipamentos. 

Por ser um problema degenerativo, ele deve ser solucionado o mais rápido possível, para resguardar estruturas metálicas, assegurando a integridade das pessoas. 

Neste artigo, a Tornado irá mostrar como lidar com corrosões metálicas da maneira adequada, além de apresentar suas variantes. Vamos lá? Então, boa leitura!  

O que é a corrosão metálica?

A corrosão metálica é um processo natural no qual metais são gradualmente degradados pela ação de agentes químicos ou eletroquímicos presentes no ambiente. 

Esse fenômeno resulta na perda de material metálico e pode ter sérias consequências, especialmente em estruturas metálicas, equipamentos e objetos.

Existem diferentes formas de corrosão, mas a corrosão eletroquímica é a mais comum. 

Esse tipo de corrosão ocorre quando há uma reação eletroquímica entre o metal, um eletrólito e o oxigênio presente no ar. 

O metal sofre oxidação, perdendo elétrons, enquanto o oxigênio é reduzido, formando íons que reagem com o metal. 

O resultado geralmente é a formação de óxidos, hidróxidos ou outros compostos indesejados, que enfraquecem a estrutura do metal.

Como a corrosão metálica acontece? 

A corrosão metálica é um processo que ocorre quando metais interagem com fatores ambientais, desencadeando uma série de reações químicas e eletroquímicas. 

O primeiro ator nesse drama é o metal em si. Quando exposto à umidade, um eletrólito essencial nesse contexto, a superfície do metal começa a sofrer um processo de oxidação. 

Nesse estágio inicial, o metal cede elétrons, iniciando um fluxo de corrente elétrica no local da reação. 

O oxigênio atmosférico é, muitas vezes, o cúmplice nesse processo, aceitando os elétrons perdidos pelo metal e formando íons que reagem com a superfície metálica.

Essa reação resulta na formação de produtos indesejados, como óxidos ou hidróxidos, que se manifestam como a corrosão visível que observamos em estruturas metálicas antigas.

Esses produtos corrosivos, por sua vez, enfraquecem a estrutura do metal, comprometendo sua integridade e resistência ao longo do tempo.

A umidade, embora crucial para iniciar o processo, não é o único catalisador da corrosão. 

Ambientes salinos, poluentes atmosféricos e diferenças de potencial entre diferentes metais em contato direto também podem acelerar significativamente o avanço desse fenômeno.

A temperatura é outro fator que desempenha um papel, influenciando a taxa de corrosão. 

Em ambientes mais quentes, as reações eletroquímicas tendem a ocorrer de maneira mais rápida, acelerando o desgaste dos metais.

Quais os tipos de corrosão metálica?

Tipos de corrosão metalica

Mas afinal, quais são os tipos de corrosão metálica? Muitas pessoas pensam que só existe um tipo de corrosão metálica, mas não é bem por aí.

Existem três tipos de corrosão metálica e cada uma delas possui suas próprias características e malefícios. Conheça-as abaixo!

Corrosão eletrolítica

A corrosão eletrolítica é um fenômeno específico no qual a presença de diferentes metais, em contato direto, cria um ambiente propício para reações eletroquímicas aceleradas. 

Essas reações ocorrem devido às diferenças de potencial entre os metais, favorecendo a transferência de elétrons e resultando na corrosão de um dos metais envolvidos. 

A umidade ou a presença de um eletrólito intensificam esse processo, tornando-o mais pronunciado em ambientes propensos à condutividade elétrica. 

Para prevenir a corrosão eletrolítica, é essencial evitar o contato direto entre metais dissimilares ou utilizar métodos de isolamento e revestimento que impeçam a formação dessa célula eletroquímica indesejada.

Corrosão eletroquímica

Já a corrosão eletroquímica é a mais comum, sendo um processo que ocorre quando metais entram em contato com um eletrólito, como a umidade. 

Nesse fenômeno, o metal sofre oxidação, perdendo elétrons, enquanto o oxigênio atmosférico é reduzido, formando produtos corrosivos como óxidos ou hidróxidos. 

Essas reações comprometem a integridade estrutural do metal ao longo do tempo. 

Para evitá-la, é essencial contar com estratégias de prevenção que incluem revestimentos protetores, escolha de metais resistentes e controle do ambiente.

Corrosão química

Por fim, a corrosão química é um processo de degradação de metais que ocorre sem a presença direta de eletricidade. 

Diferentemente da corrosão eletroquímica, esse fenômeno envolve a reação direta dos metais com agentes químicos presentes no ambiente. 

Por isso, substâncias como ácidos, bases ou compostos químicos agressivos podem desencadear reações que resultam na deterioração do metal.

Essa forma de corrosão é frequentemente influenciada por fatores químicos específicos do ambiente, como a concentração de substâncias corrosivas. 

Como evitar corrosões de metal? 

como evitar corrosões de metal

Agora que você já conhece os tipos de corrosão de metal, está na hora de saber como evitá-las. 

Por isso, a Tornado separou dicas valiosas de como evitar corrosões de metal nas suas estruturas metálicas. Vamos conhecê-las? 

Pintura

A pintura é uma estratégia eficaz na prevenção da corrosão metálica, formando uma barreira protetora entre o metal e os agentes corrosivos. 

Ao aplicar uma camada de tinta ou revestimento adequado, cria-se uma barreira física que impede a exposição direta do metal ao ambiente corrosivo, como umidade e oxigênio. 

Além de proporcionar proteção, a pintura também oferece opções estéticas, tornando-se uma medida vantajosa na preservação da integridade e aparência de estruturas metálicas.

Galvanização

Outra maneira de lidar com a corrosão metálica é com a galvanização, uma técnica crucial na prevenção da corrosão, especialmente para metais ferrosos. 

Nela, consiste em revestir o metal com uma camada de zinco por meio de imersão ou eletrodeposição. 

Assim, o zinco atua como um sacrifício, corroendo-se preferencialmente em relação ao metal-base, proporcionando uma proteção eficaz. 

Esse método é amplamente utilizado em estruturas expostas a condições adversas, como construções ao ar livre e peças automotivas, oferecendo uma defesa duradoura.

Película de óxido

Já a formação de uma película de óxido é uma estratégia natural e passiva para evitar a corrosão metálica. 

Isso porque, certos metais, como o alumínio e o aço inoxidável, desenvolvem uma fina camada de óxido na superfície, agindo como uma barreira protetora. 

Essa película impede a progressão da corrosão, fornecendo uma autodefesa que contribui para a durabilidade do material. 

A escolha de metais que desenvolvem naturalmente essa película é uma consideração crucial em aplicações onde a resistência à corrosão é fundamental.

Plastificação

Para finalizar nossa lista, a plastificação é uma técnica eficaz na prevenção da corrosão metálica, na qual o metal é revestido com uma camada plástica protetora. 

Esse revestimento cria uma barreira física, isolando o metal do contato direto com agentes corrosivos, como umidade e substâncias químicas. 

Além de oferecer proteção contra a corrosão, a plastificação pode melhorar a resistência ao desgaste e proporcionar isolamento elétrico em certas aplicações. 

Ou seja, essa abordagem versátil é amplamente empregada para preservar a integridade de componentes metálicos em diversas indústrias.

Está em busca de equipamentos que te ajudarão a proteger sua estrutura metálica? Então, conte com os produtos da Tornado! Venha conhecê-los.

Conclusão

Sabemos que a corrosão metálica é um desafio complexo que exige abordagens preventivas cuidadosas. 

Neste contexto, estratégias como pintura, galvanização, formação de película de óxido e plastificação são cruciais  na preservação da integridade de estruturas metálicas. 

Com isso, ao compreender os tipos de corrosão e implementar medidas específicas, podemos proteger os metais e promover práticas eficazes na preservação de estruturas. 

Portanto, o investimento em prevenção é essencial para assegurar a funcionalidade a longo prazo e a segurança das estruturas metálicas.Gostou deste artigo? Para mais como este, acesse o blog da Tornado!

Compartilhar:

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress